Há dias

Existem dias, que embora nos pareçam fúteis e redundantes, se transformam pura e simplesmente em dias felizes e gratificantes, por muito banais que nos possam parecer. Tal facto faz-me sorrir, faz-me acreditar nas pessoas que me rodeiam, nas pessoas a quem simpaticamente concedo minutos do meu tempo, doses elevadas dos meus sentimentos, pedaços importantes e muito significativos de mim mesmo, sem pensar duas vezes na concessão, na dádiva, na partilha, simplesmente porque me sinto feliz por estar a partilhar quem sou, o que sou, de onde venho, para onde vou. Sou humano, preciso dos outros para crescer, para ser mais forte, melhor, mais completo e isso realmente acontece. Aqueles que me fazem ser melhor e maior, são, no fundo, aqueles que me retribuem sem cobrar nada em troca, tudo aquilo que lhes dou, tudo aquilo que os faço sentir. É realmente saboroso, deitar-mo-nos, ou acordarmos com uma sensação de preenchimento, de completa realização, ainda que seja momentânea e passageira, mas acima de tudo, uma realização digna de ser registada, em fotografias, quadros, desenhos, pinturas, canções, ou nesta patética forma de expressão que por vezes pode ser a escrita. Mas muito se enganam se pensam que menosprezo ou critico a escrita ou o registo feliz através da mesma de sentimentos ou momentos de maravilha, simplesmente digo que, sabe bem estar feliz, sabe bem acreditar em coisas boas. O mundo está triste, de luto, preocupado, mas como já anteriormente referi, importa sem dúvida que concedamos uma linha de crédito ao mundo, às gentes, às pessoas, aos momentos que vivemos e com os quais nos confrontamos diariamente. É sem dúvida extremamente fácil criticar, destruir, opinar, mas será sem dúvida mais fácil a nossa vida, se não nos limitar-mos à crítica mas sim, se procurar-mos uma saída para o marasmo, uma alternativa à desgraça, ao fado de ser Português. Ser derrotado triste, derrotista lamentável, ser vencedor é difícil, ser vencido é pior, ser positivo é uma conquista a que só chega quem não desiste, quem não atira a toalha ao chão, como o pugilista, que, embora cansado de apanhar pancada, cansado de amparar com o rosto murros violentíssimos disferidos com o ódio milenar dos milhares de povos que odiaram o mundo, se levanta, se senta no seu canto azul, ou vermelho, cospe o sangue para o balde, ergue a cabeça, e diz bem alto, com uma voz fria, mas com a força de milhões de combatentes dentro de si, ISTO AINDA NÃO ACABOU! Sinto-me fraco, cansado, mas não quero nem vou desistir, acredito que quem quer, pode e quem pode, consegue. Se todos quisermos, podemos conseguir chegar a qualquer lado, o mundo estará por certo cansado, triste, enfraquecido, tal como o nosso pugilista, mas todas as pessoas que pagam para ver o mundo e o pugilista, acreditam nele até ao fim. Eu acredito, o que me dizes tu?
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s